Missionários
Claretianos Brasil

XI. História da Fundação da Comunidade Claretiana de Belo Horizonte

 

XI.                  História da Fundação da Comunidade de Belo Horizonte (1911)

                Dom Silvério Gomes Pimenta, arcebispo de Mariana, por ocasião de Conferência de bispos da região sul do Brasil, em 1909, realizada em Juiz de Fora, encontrou-se com o Padre Martin Alsina Sevarroja, CMF, Superior Geral da Congregação. Aproveitou Dom Silvério para reiterar convite de instalação dos Claretianos em sua arquidiocese, que, desta vez foi aceito. Padre Martin Alsina Sevarroja, CMF, visitaria Belo Horizonte em companhia do Padre Joaquim Bestué, CMF, Superior da Quase Província do Brasil para conhecer a área destinada aos Missionários Claretianos. A Portaria da cessão de Nossa Senhora de Lourdes aos Missionários Claretianos foi assinada no dia 12 de Julho de 1911.

Documento (transcrição que consta da Crônica da Comunidade de Belo Horizonte - Arquivo Provincial)

 “Dom Silvério Gomes Pimenta, por mercê de Deus e da Santa Sé Apostólica, Arcebispo de Mariana, Prelado doméstico de S.S. o Papa Pio X, etc etc....

                Aos fieis cristãos saúde, paz e bênção em Jesus Cristo Nosso Senhor. Desejando que se estabeleçam nessa Arquidiocese os RR PP do Imaculado Coração de Maria que tanto bem fazem às almas com seu zelo e trabalho apostólicos de que já tenho experiência nas vezes que por sua caridade vieram trabalhar nesta Arquidiocese, concedo-lhes o uso perpétuo da Igreja de Nossa Senhora de Lourdes com o terreno pertencente à mesma e a ela anexo, onde possam construir o edifício que lhes convier. Poderão os mesmos usar dos privilégios obtidos da Santa Sé e aos religiosos que forem julgados aptos pelos seus Superiores concederei as graças oportunas para o exercício do ministério; e quando estiverem em missão lhes concederei as faculdades que costumo conceder aos outros missionários, que serão indicadas e renovadas todos os anos. Permito que façam com o Vigário de Boa Viagem o contrato que combinarem em remuneração da coadjuvação (auxílio) que lhe vão prestar na paróquia; e ficarei mui contente que além desta se façam outras fundações. Vossas Rvmas. trabalharão segundo as suas regras missionando nos lugares que determinaremos cada ano, e prestando outros serviços compatíveis com o seu Instituto. Para sua segurança e tranquilidade no futuro damos esta portaria. Dada em Mariana sob nosso selo e signal aos 12 de Julho de 1911. Eu Mons. Com. José Silveira Horta”.

                 A primeira reunião do Capítulo Local da Comunidade Claretiana de Belo Horizonte aconteceu no dia 15 de Fevereiro de 1912. À época, o Pe. Joaquim Bestué Torres era o Superior da Quase Província do Brasil. A Casa teve o Pe. Antônio Berenguer como o seu primeiro Padre Superior e os PP Julião Cantuer e Vicente Conde Monteiro como consultores. Havia muito trabalho, a Igreja de Lourdes, de acordo com a História da Casa, era pouco mais do que um edifício cujas paredes não tinham reboco e a imagem não tinha púlpito; não havia, também, confessionários, genuflexórios e um sacrário. Nos meses e anos seguintes à posse da pequena Capela a Comunidade Claretiana empenhou-se para reunir esforços e meios para a construção de igreja de grande projeção. Trabalho iniciado no dia 3 de Maio de 1916 e concluído com a solene inauguração em 14 de Novembro de 1923.

     Ainda em Março de 1923, o bispo de Belo Horizonte, Dom Antônio dos Santos Cabral assinou a portaria que criou a nova Paróquia. A Comunidade de Belo Horizonte, hoje, é composta: Padre Welington Cardoso Brandão, CMF, Superior e Pároco, Padre Márcio Silva Souza, CMF, Ecônomo e Vigário Paroquial e Padre Ângelo Fernando Rosa, CMF, Vice-superior e Vigário Paroquial.

Prof. Dr. Josias Abdalla Duarte

Arquivo Provincial

 

 

 

 

Comente essa notícia

Comentários 0