Missionários
Claretianos Brasil

Carta do P. Geral Mathew Vattamattan, CMF, em tempos de Covid-19

 

 

Carta do P. Geral, Pe. Mathew Vattamattam, CMF, em tempos de COVID-19 

 

Queridos irmãos:

Saudações fraternais. Hoje é a solenidade da Anunciação do Senhor na qual contemplamos a promessa de Deus de um filho nascido de uma virgem cujo nome é Emanuel “Deus está conosco” (Is 7,14; 8,10) e o fiat de Maria (Lc 1,38) para desígnio salvífico de Deus para a humanidade com todas as consequências que isso significaria para ela no futuro. O filho nascido da virgem ofereceu uma resposta de obediência: “Eis que venho para fazer a tua vontade” (Hb 10,10). Como filhos do coração imaculado de Maria, responderemos à presente pandemia COVID-19 com a mentalidade própria de nossa identidade.

Em Roma, estamos na terceira semana de “vida enclausurada” sem sair. A atual comunidade de 26 claretianos da Cúria está se adaptando a esta condição de maneira saudável. Cada um se ocupa de suas responsabilidades, estudos ou outros trabalhos domésticos e encontramos tempo para compartilhar sempre que estivermos juntos. Apresentamos ao Senhor a humanidade vulnerável presente em nossos corações em oração e adoração. Dois de nós (Vicente Sanz e Carlos Verga) estão retidos em seus países de origem, esperando viajar depois que a pandemia diminuir. A comunidade realiza uma adoração diária, à tarde antes das vésperas. Os membros da comunidade realizaram alguns sacrifícios para arrecadar dinheiro e apoiar a Santo Egídio que proporciona alimentos para os sem teto. Há medidas restritivas na cidade para limitar os contatos humanos diretos como prevenção para se evitar a propagação do vírus, e as estamos cumprindo.

É de partir o nosso coração saber do sofrimento de nossos irmãos e irmãs na Itália, especialmente no norte, onde o número de mortos está aumentando. Sacerdotes, religiosos e pessoas da saúde também se encontram entre as vítimas. Esperamos que as medidas tomadas pelo governo produzam efeito nos próximos dias. A situação de outros países da Europa, América, África e Ásia também está piorando. Somente temos um caso relatado até agora entre os claretianos, o bispo D. Javier Travieso que se encontra infectado com o vírus. Dom Javier Travieso (hoje o 11º aniversário de sua ordenação episcopal) tem a saúde estável e espera melhorar com o passar dos dias. Permaneceremos próximo a nosso irmão, e de todas as pessoas afetadas e que sofrem este vírus pandêmico, com nossas orações e amor.

 

A resposta claretiana à pandemia COVID-19

Gostaria de compartilhar convosco algumas reflexões para vos ajudar a responder à pandemia em nossas respectivas comunidades e Organismos Maiores.

 

1. Atitude ante a Pandemia. Respondemos à pandemia com atitudes e virtudes cristãs e claretianas. Destacaria a calma (não pânico), a (sem cair na impotência), a esperança (sem desespero e pessimismo) e o amor(nunca indiferente e sem acédia). Como claretianos devemos manter nosso espírito tranquilo, quando passamos por situações difíceis e enfrentamos esta crise mundial. Só assim poderemos fortalecer aqueles que estão próximos de nós e apoiar todos os esforços a fim de lidar com esta situação. A pandemia passará como muitas outras na história da humanidade. No entanto, viveremos esta crise com consciência, e faremos com boa vontade e com amor tudo o que devemos realizar neste momento. Também devemos estar preparados para enfrentar as repercussões da pandemia na economia mundial, no trabalho e nas condições de vida, especialmente depois desta situação, que também nos afetará.

 

 2. Responsabilidade por si e pelos demais: Todos devemos estar seguros de que seguimos plenamente as diretrizes dadas pelas autoridades civis e eclesiásticas. A irresponsabilidade de alguns civis tem causado uma situação catastrófica em alguns lugares. Quando alguém está saudável, tende-se a ignorar as prescrições sobre o contato humano e a higiene pessoal para evitar a propagação do vírus. O descuido de um membro pode colocar em perigo todo um grupo ou comunidade e todos aqueles com os quais ele se encontrar. Todos os Superiores devem velar para que se sigam as instruções em seu respectivo Organismo Maior ou comunidade. Também convido os Superiores Maiores e seus Conselhos a avaliar a situação em sua região e ver como podem colaborar com os esforços da Igreja e da sociedade civil a fim de enfrentar a situação. Cada um de nós deve ter o cuidado de não infectar outra pessoa sendo portador do invisível vírus. Se algum membro da própria comunidade se contaminar, por favor, informe-se imediatamente ao Superior Maior e siga estritamente o que lhes solicitarem as autoridades sanitárias da região. É importante conhecer, de antemão, essas diretrizes consultando as fontes pertinentes.

  

 3. Extrair da fonte: necessitamos força espiritual para enfrentar a sitruação que requer mais que esforços humanos para vencer a pandemia. A maioria de nós não pode e não deve sair diretamente ao encontro das pessoas para dar assistência. No entanto, como Moisés que levantou seus braços ao Senhor para fortalecer a Israel na batalha (Ex 17,11), levantaremos nossos corações em oração durante a “permanência em casa”, pedindo sabedoria e força para os profissionais da saúde e as autoridades civis que estão em primeira linha, realizando a perigosa situação. Todos nós deveríamos encontrar algum momento para rezar por aqueles que estão em primeira linha, lutando contra a enfermidade e por aqueles que são vítimas. A maioria dos cristãos do mundo não está podendo participar da Missa presencialmente. Nós os trazemos em nossos corações, quando celebramos a Eucaristia. Alegro-me saber que a maioria das comunidades tem organizado momentos de oração e adoração, pedindo a misericórdia de Deus e o fim deste vírus COVID-19.

 

4. Criatividade e inovação: O tempo de “ficar em casa” para desconectar e derrotar o vírus deveria ser um tempo para maneiras criativas e inovadoras de conectar com outros a fim de realizar nossa missão ao povo. Nossos missionários estão chegando às pessoas de muitas maneiras. Alegra-me saber que nossos irmãos estão realizando seus ministérios usando os meios sociais. Muitos começaram os estudos bíblicos e o catecismo, através da Internet ou da videoconferência. Muitas atividades espirituais são realizadas, através de streaming. Os estudantes continuam seus estudos online. As comunidades fazem sacrifícios para arrecadar dinheiro para conseguir alimentos para os trabalhadores vulneráveis e os vendedores ambulantes, afetados pelo fechamento de tantas semanas. Embora fiquemos em casa, a fim de interromper a cadeia de difusão do vírus, nossos corações estão com nosso povo. Por favor, pensai juntos e descobri como podeis chegar a eles e como podemos responder com os dons que temos como missionários. Este tempo de permanência em casa deveria transformar-se em um momento para aprofundar a presença divina interior e descobrir o rosto do Senhor nos demais, especialmente nos irmãos que sofrem. Toda criatividade pastoral deve fluir desta profundidade e amplitude de nossa fé. A mensagem de vídeo enviado da casa mãe de Vic (CESC) pelos Padres Carlos Sánchez e Josep Rovira é um alentador convite a todos nós para aproveitar o tempo, a partir de uma perspectiva claretiana. A atuação situação de imobilidade obrigatória também nos chama a familiarizar-nos com encontros online e as videoconferências em diferentes níveis, em lugar de ter as diferentes oficinas e ministérios em um estado de moratória, por longo tempo.

 

5. Comunicar a energia positiva e se fortalecer mutuamente: Escutamos centenas de teorias, mensagens e propostas de remédios relacionados com o COVID-19 que estão circulando nas redes sociais. Como muitos, também nós somos ávidos usuários das redes sociais. Por favor, tenhamos em conta os efeitos das mensagens e reenvios que compartilhamos com os demais. Quando difundimos notícias falsas ou informação não comprovada a outrem causando pânico e pessimismo em suas mentes, também estamos agindo como o próprio vírus contra o qual lutamos, com a diferença que o vírus infecta os corpos enquanto que nossas mensagens contaminam as mentes. Podemos obter informação confiável sobre este tema no site oficial da OMS: https://www.who.int/. Sejamos missionários que levem consolo, esperança e força aos demais por todos os meios possíveis, em vez de sermos profetas de fatalidade e semeadores de pessimismo. Podemos ser evangelizadores mediante os meios de comunicação social, utilizando-os como uma oportunidade para difundir o bem.

 

6. Deixai que a Palavra de Deus vos ilumine: Como servidores da Palavra, este é um momento para nos nutrir e nutrir os demais com a Palavra de Deus. Ela nos dá uma visão e compreensão mais aprofundada dos eventos que sucedem em e ao redor de nós. Todos os acontecimentos da história são sinais da ação salvadora de Deus. A situação atual está abrindo os olhos de muitos seres humanos a muitas realidades: o desastre ecológico que viemos causando sem pensar, satisfazendo apenas a cobiça humana; a igualdade fundamental de todos os seres humanos, antes da morte iminente; animais e plantas foram beneficiados, quando os seres humanos reduziram a poluição; o valor e a necessidade de repensar o modelo de vida da montanha russa e estar em casa com os entes queridos; a necessidade de lutar juntos contra o inimigo comum invisível, esquecendo as diferenças. O COVID-19 tem mostrado fisicamente a interconexão da aldeia global, na qual um vírus contagioso pode viajar em poucos meses a 196 países, ceifando16.362 vidas e infectando 375.498 pessoas (dados da OMS hoje às 10 da manhã, 25/3/2020). Muitas vezes, não somos conscientes dos vírus invisíveis sociais, psicológicos e espirituais que infectam a mente e o espírito humanos, e que esgotam a vitalidade das pessoas e da comunidade humana. Os exemplos são abundantes, como no caso do abuso sexual de menores, o aborto, a corrupção política, etc., que deformam a dignidade divina dos seres humanos. Perscrutemos a situação humana afetada por este evento pandêmico à luz da Palavra de Deus que é “mais afiada do que qualquer espada de dois gumes que divide a alma e o espírito, as articulações e medulas, e julga os pensamentos e as intenções do coração” (Hb 4,12).

 Queridos irmãos, quero expressar-vos a proximidade do Superior Geral e do Conselho Geral, assim como da Comunidade da Cúria Geral a cada um de vós. Encomendamos todos os claretianos, todas as pessoas confiadas ao nosso cuidado pastoral, juntamente com toda a Igreja e a humanidade, à proteção e consolo do terno amor do Imaculado Coração de Maria. Unamo-nos ao Papa Francisco na oração pela cura do mundo. 

 

 

                                                                                 Fraternalmente, 

Pe. Mathew Vattamattam, CMF

 

                                                                                  Superior Geral

 

 

 

 

Comente essa notícia

Comentários 0